sexta-feira, 18 de maio de 2018

Adeus meus amores

Dias difíceis e de perdas tristes.
Em um ano dois amiguinhos se foram, uma mais trabalhosa e outro inesperado.
A querida ficou doentinha e resistiu e resistiu, mas num dia qualquer enquanto estávamos fora, deitou debaixo da cama e assim se despediu de nós.
Já o outro, um tremendo querido, ficou mal no sábado e segunda foi embora longe das nossas vistas. Um tumor inesperado o separou de nós.
Pra quem ama os animais, eles fazem parte da família e dói como uma ferida física.
Por eles, é essa homenagem. Eles não verão, mas meu coração se sente um cadinho aliviado de dividir essas imagens e o quão especial eles foram.
Das nossas lembranças não sairão mais.

Miudinha: A primeira. Uma bolinha fofa de algodão.

Eu e Seu Francisco, que está comigo aqui no céu:

Na barriga dele ao lado da minha amigona:

No natal, querendo pegar meus presentes:

Eu apreciando a vista:


E, quando já estava doente, me despedindo da minha amada família:

E assim, a Miudinha se foi, deixando saudade.


Então chegou ele, o lindão.


Eu de olho na câmera:

No lugar mais gostoso impossível:

Daí fiquei grande demais para morar dentro de casa e ganhei uma casinha:

Gostava de brincar:


E um dia, fiquei doente e tive que me despedir. Foi triste para todos:


Foi bom demais ter você dois com a gente. A Miudinha pra ronronar no colo, o Duby (urso em hebraico), vulgo Monstro da baba, para provar quão carinhoso um cachorro pode ser.